Fuzil-da-Guerra-do-Paraguai-1Essa arma pode ser considerada como sendo a padrão em uso na Infantaria do Império, durante a Guerra do Paraguai, pois foi a que teve presença mais maciça em combate. Era calibrada para projéteis de 14,8mm do tipo Minié, e eram equipadas com baionetas retas, com punho de latão. Inicialmente chegaram ao Brasil com alças de mira graduadas em braças, uma antiga medida portuguesa, mas logo foram alteradas para o sistema métrico, que passou a vigorar no Brasil em 1864.

Cerca de 28.000 dessas armas foram enviadas ao Paraguai, sendo distribuídas entre os batalhões de caçadores e para todas as unidades dos denominados Voluntários da Pátria. Conta-nos Adler Fonseca que, na linha de frente, soldados sofreram do mesmo problema de todo o sistema Minié, por causa da existência de uma arma da mesma classe, mas de calibre diferente: o mosquete Enfield 1858. A solução encontrada para isso foi a padronização da munição de calibre menor, o que tornou as carabinas do modelo belga muito menos eficientes do que seria de se esperar.

Fuzil-da-Guerra-do-Paraguai-2